quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Harmonia do Natal.


O vento norte reúne as folhas secas e esvoaçantes caídas 
"Parece que terá neve esta noite, não é?"
Você disse feliz
No parque, frequentemente, hoje virá uma noite tranquila 
Seus dedos suaves entrelaçando-se aos meus, posso sentir o nosso calor

De repente, percebi que você é quem está sempre sorrindo para mim,
são as flores que florescem no meu coração

Eu quero ver você Eu quero ver você agora mesmo no segundo em que estamos separados
Meus sentimentos vagueiam no céu à noite e se tornam asas brancas
Te abraço e aponto as minhas asas para o outro lado da eternidade
Não desapareça este amor, vamos deixá-lo para sempre!

Nesta cidade movimentada, há uma gentileza, não se pode esconder
Quando eu vejo os sorrisos das pessoas indo e vindo nas ruas
Eu posso pensar comigo mesmo: "Estou feliz"

Assim que o seu desejo se tornar realidade, eu vou
suavemente observar e protegê-lo

Eu quero ver você Eu quero ver você agora mesmo no segundo em que estamos separados
Meus sentimentos vagueiam no céu à noite e se tornam asas brancas
Te abraço e aponto as minhas asas para o outro lado da eternidade
Não desapareça. Este amor, vamos deixá-lo para sempre!


Beijos incontáveis ​​se acumulam, enquanto a harmonia de dezembro desempenha seu papel
Eu estou vivendo estes dias com você

Eu quero ver você Eu quero ver você agora mais do que todas as palavras
Chegue mais perto Se você está aqui, isso é tudo que eu preciso ...

Eu quero ver você Eu quero ver você agora mesmo no segundo em que estamos separados
Meus sentimentos vagueiam no céu à noite e se tornam asas brancas
Te abraço e aponto as minhas asas para o outro lado da eternidade
Não desapareça. Este amor, vamos deixá-lo para sempre!


O vento norte reúne as folhas secas esvoaçantes caídas
"Parece que terá neve esta noite, não é?"
Com você, nós dois ... hum



Esta é a tradução de uma das músicas que mais gosto dos Kinki Kids chamada Harmony of December. Deixo ela aqui pra desejar que seu Natal tenha a harmonia do amor. 
Muito obrigada a todos. Feliz Natal e Feliz Ano Novo. 






segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Ganhadores da promoção Vitral volume 2!!!

Oi gente! Vcs lembram de uma promoção que foi feita pra escolher uma letra de música para Vitral que foi feita ano passado? Pois é, preciso que os ganhadores me enviem um e-mail com seus endereços para que recebam o volume 2 e o primeiro lugar ganha um poster também.^^ Os ganhadores são: Kaline da Silva Prata, Ricardo Brunelli Tirico e Lilian Abreu de Sousa.
Eu infelizmente perdi os e-mails dos ganhadores quando o PC morreu. Mas peço que entrem em contato no e-mail contato@futagoestudio.com.br
Por segurança peço que me enviem um scan do RG em anexo com o e-mail.^^ Agradeço a todos que participaram e acreditaram. Arigatou!

Atualizando: só falta achar o Ricardo!!^^

Bom, é isso. Kisus a todos!

terça-feira, 27 de novembro de 2012

King presente!^^

 Hoje chegou o DVD que comprei na play-asia.com. Foi minha primeira compra numa loja chinesa, chegou em 20 dias e gostei muito do produto, não deixa a desejar pra versão japonesa. Não comprei a versão japonesa porque o limitado não tem mais e eu queria. A única diferença dos DVDs chineses é que dentro e na capa tem o nome dos Kinki Kids escrito em Chinês (não sei por que fazem isso já que a banda tem nome em Romaji mesmo) e tem legenda em chinês, mas no resto é igual pelo que vi pela internet.
 Essa sou eu com o DVD, não liguem pra cara é que eu tinha acabado de acordar. Eu adoro as coisas feitas na Ásia porque tudo é tão bem feito e luxuoso...
O DVD vem com um encarte de mais de 100 páginas com fotos lindas e uma foto lembrando a foto do A Álbum do começo de carreira dos Kinki, mas com autógrafo. 

O mais legal é que tem todas as músicas da banda que eu e a Soni sempre gostamos. A gente acompanha a carreira desde de 1997 ( Abafa!). Os meninos estão com mais de trinta como nós... Coloquei a foto num porta retrato no Futago Estúdio ao lado da foto de Versailles. Tô MUITO feliz com o presente de aniversário que me dei! O legal é que eles também estão fazendo aniversário de carreira, 15 anos...É muita coisa, mas espero que tenha mais 15! Afinal, terminar em cinco como o Versailles é muito triste. 
Bom, vou voltar ao trabalho, o Carlos Costa já está esperando o volume 5 e tudo indica que vão sair juntos novamente. Ontem escrevi um conto do Vitral, não sei se ficou bom, a Soni ainda não leu. Esse conto eu criei depois que tive um sonho com toda a história. No sonho o final é triste, mas eu bolei um final mais feliz.
Beijossss a todos.

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Muyami- página de entrada volume 4

Hoje eu consegui terminar a ilustração do Muyami gostozão que vai ser a ilustração de entrada do volume 4. Tentei pintar no SAI, mas não levo jeito com esse programa ainda e acabei pintando no Photoshop mesmo. Até que o note foi bonzinho comigo e só desligou umas duas vezes. Infelizmente a ilustração vai ficar PB no mangá. Quem sabe um dia meu sonho de ter página colorida ainda não se realiza, né? Seria muito bom.^^
A Soni está feliz porque o novo computador chegou e já está funcionando.
Amanhã ela volta ao trabalho e eu vou ajudar na medida do possível com o note chato. Hoje eu também fiz o volume 4 em baixa pra enviar pro editor revisar. É uma parte do trabalho que eu não curto muito fazer, ficar diminuindo a resolução de página por página é muito trabalhoso e ainda precisa ficar atenta pra não errar e gravar a página em baixa em cima da alta por engano. Isso nunca aconteceu, mas eu sou tão doida que se me distrair já era.
Ontem eu li o conto que a Soni fez pra revista nova da Drago, acho que ficou muito bom apesar de curtinho. A Soni gosta de escrever e eu sempre gostei de ler as histórias que ela cria. Ela tá cheia de projetos e eu sinto que estou meio parada, tá tudo na minha cabeça, mas não ando fazendo nada além do Vitral. Acho que vou começar umas coisas que faz tempo que imaginei, mas atá agora não me dediquei a elas.
Espero que amanhã seja eu a ficar feliz, estou esperando meu DVD chegar do Japão. Foi a minha primeira compra na play-asia.com, sempre compro na Cdjapan, mas o correio deles subiu tanto que não estou mais podendo comprar nesse loja.
Vou indo pra caminha. Beijos a todos.

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Construção de personagem!

Oi gente. Ontem eu terminei a capa do volume 4 de Vitral. Fiquei a semana toda lutando com meu computador. A Soni tirou férias forçadas e se rebelou. Só vai trabalhar quando chegar o PC novo dela. Mas só faltava um pouquinho pra eu terminar a capa e me adiantei mesmo tendo que formatar vinte vezes o PC. Af... que luta. Acabei!!!! Mas só vou colocar a capa aqui quando terminar a capa 5. Como eles vão sair de dois em dois, acho mais legal mostrar as duas juntas. Já devia estar pronto, mas...

Bom, vou aproveitar o post pra falar mais um pouco de meus personagens e como construí a personalidade deles. Não sei quanto aos colegas mangakás, mas crio a personalidade deles me baseando em pessoas reais. Observo muito as pessoas , como elas reagem a situações diversas e seu comportamento humano. Também me baseio em mim mesma. Imagino como eu reagiria se estivesse no lugar do personagem. Nem sempre eles podem agir como agiria por causa da personalidade deles. Dá até uma sensação de que o personagem tem vida própria e tá mandando na gente.
Mas o grande lance é que eles precisam agir como humanos acima de tudo, as vezes um pouco estereotipados porque é quadrinho, mas humanos. Parece óbvio, eles tem que agir como humanos... Na prática não é muito fácil de fazer.

Ser um ser humano significa ter sentimentos e agir humanamente no decorrer da história que criamos. O que faz a gente gostar do personagem ultrapassa traço, língua, lado que é desenhado e cultura. O que nos faz gostar de quadrinho de mangá mesmo que ele seja coreano, chinês ou japonês é justamente o lado humano. Afinal todos os povos sentem amor, ódio, raiva, inveja, piedade, etc da mesma forma. Nós sentimos igual e reagimos igual. Mas depende de cada personalidade essa reação. Tsumi, por exemplo não reage da mesma forma que Daiji em muitas situações. Mas ambos sentem o mesmo amor um pelo outro. Esse personagem vem de uma família de pais separados. Os pais são de países diferentes e Tsumi é mestiço. Quem leu sabe de onde ele veio. Eu tenho a experiência de pais separados, mas eles se separaram depois que eu já estava adulta. Então eu fiquei imaginando que impacto isso teria na cabeça de uma criança. A mãe dele foi embora quando Tsumi tinha cinco anos. Mas ela não pode levá-lo com ela.

O passado do personagem influencia muito em sua personalidade. Talvez eu não consiga passar tudo isso no meu mangá pois não é fácil. O pai de Tsumi é um médico bem sucedido, porém frustrado e isso gerou o conflito entre ele e Tsumi. Seu pai não acredita no sonho do filho de ser artista. Pra ele a vida se resume em trabalho e salário pra pagar as contas. Que coisa chata, né? Esse tipo de pai tem bastante no mundo. Eles cobram do filho coisas que nem eles mesmos foram capazes de fazer. Ser mais dedicado nos estudos, ser mais trabalhador e ser mais bem sucedido porque julga que a vida do filho foi mais fácil que a dele. É incrível como a cria sempre perde as oportunidades que a vida oferece. Ser jovem é perigoso pra esses pais.

Nisso fui montando a carga psicológica de Tsumi. Mas ele é muito determinado e sente que nasceu pra música. No entanto, por que música? Por que escolhi isso ao invés de ator, ou modelo? Bom, não foi por causa de Gravitation...Foi porque eu gosto de música e acho os bastidores desse universo muito bacana. Eu utilizei as duas polaridades desse universo, o músico iniciante e o já mega-astro raro de conhecer pessoalmente. Não tem nada muito novo nisso e uso alguns clichês desse tipo de história. Eu pesquisei muito como uma pessoa se torna um mega-astro, pois ser um artista tentando eu sei como é. ^^

O interessante é que nessa pesquisa pra construir a personalidade de Muyami eu descobri que na verdade, ser um mega-astro tem um caminho ilógico e misterioso. Entretanto, o poder pessoal de alguém assim que faz tudo a sua volta girar é surpreendente. Só notei que os fãs agem como se estivessem apaixonados, seja pela pessoa ou pela arte dela. É aquilo que acontece com pessoas tipo Neymar. Mesmo a torcida contrária ama ele. rsrs É um semi-deus pra muitos.
Na música não é diferente. A pessoa seduz milhares mesmo não sendo bonita e nem boa cantora. É um mistério do poder pessoal dela. A pessoa nem precisa ter bom caráter pra ser adorada. E assim é Muyami, um cara bipolar, mas adorado. Daiji também sofre com esse magnetismo do pai. Ao mesmo tempo que ele odeia ele ama Muyami. Tsumi é fã e até se julga um fã especial que também é músico. Esse é o lado ingênuo de Tsumi que comprou a ideia de que talento traz tudo. Infelizmente ele vai descobrir que não é só isso. O pai dele o desmotiva comparando-o com Muyami. Diz que Tsumi não é belo suficiente, nem canta como ele e é caipira. Tsumi por sua vez fica triste, mas quer provar o contrário.
Pensei muito numa amiga minha que passou por isso. Os familiares diziam que ser cantora era sonho e isso só dá certo pra quem tem família de músico, pais famosos que trabalham no meio. Aquela babaquice toda... Infelizmente conseguiram colocar na cabeça dela que aquilo não era pra ela. A mãe dela morreu e nunca ouviu a filha cantar. Foi assim com ela. Então usei isso, o pai de Tsumi só ouviu o filho cantar uma única vez quando ele era bem pequeno, depois disso nunca mais. Tsumi cresceu, se aprimorou e o pai nunca quis ouvi-lo de novo por motivos que estarão no mangá pra todos entenderem.

No caso de Daiji o universo da música faz parte da vida dele desde de criança, mas ele também tem uma família desestruturada pois sua mãe morreu. Muyami faz da vida de Daiji um inferno e por isso ele odeia o meio artístico. Só muda de opinião depois que conhece Tsumi, Higa, Mirai e Tadashi. Bom, Tadashi foi inspirado mesmo numa pessoa real. Mas as atitudes dele mudam pra pior com o tempo. Ele não sabe lidar com as frustrações. Ele faz tudo que um músico não deve fazer, mas alguns fazem que é tomar droga e bebidas. O Higa eu me inspirei em mim mesma, principalmente na parte do problema cardíaco. Eu já me vi enrolada com isso e foi uma fase muito ruim. No mangá ele tá mil vezes pior do que eu estava, logicamente. Nas horas que a gente pensa que vai morrer a cabeça da gente muda. Com o Higa foi assim, ele sempre acreditou que ganhar dinheiro era tudo, mas depois do primeiro ataque ele resolveu viver a vida que queria e realizar seu sonho de ser músico. Por isso começou a carreia tardiamente. O Mirai é um faxineiro que sonha com a fama pra sair da pobreza. Quem já não pensou assim levanta a mão! Por mais amor que temos pela arte uma hora a gente acaba desejando ganhar dinheiro com isso e ganhar muito dinheiro. É nosso lado vaidoso que não quer ser simplesmente artista. Os amigos não sabem desse lado dele, pois ele diz que nasceu artista e isso a gente não escolhe. Higa sabe que ele é pobre, mas não imagina o quanto e que ele tem dois irmãos pequenos pra criar. Ele saiu de casa com os irmãos por causa de um problema muito sério com seus pais.


Bom, é isso. Depois falo mais dos outros e do espectro e de como construí a ambientalização e explico porque Vitral não se passa no Brasil. Agradeço a todos que estão me dando uma chance e lendo o meu mangá sem preconceito. Eu queria que algumas pessoas entendessem que criar um BL não é só pensar na parte sexual. O fato de ser BL é apenas uma das facetas da personalidade de Tsumi e Daiji. Se eles fossem héteros muita coisa na minha história teria que desaparecer completamente e isso descaracterizaria as minhas ideias. E também tem a ver com o fato de eu gostar desse gênero de mangá. Eu gosto da forma como os personagens BLs são intensos. Não digo profundos, mas intensos emocionalmente. É um mundo pra explorar.

O Especial do Vitral mostra um pouco mais da personalidade de Daiji. É uma coisa que eu não ia mostrar, apenas mencionar, mas gostei de mostrar esse Daiji, pois ele foi criado assim. E tem mais coisas dele que vai aparecer no decorrer do mangá.
Muita coisa eu e a Soni debatemos sobre Vitral quando foi criado e até agora acontece. O mais misterioso de todos os personagens é o Espectro que não é um ser humano. Ele foi difícil de bolar porque ele não existia no conto e ele não tem uma base humana pra eu criar a personalidade dele. Por isso vou deixar pra falar dele num post a parte.

Beijos a todos!


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Lado bom.^^

Oi tomos! Anteontem eu fiz algumas ilustrações dos personagens de Vitral, mas só hoje consegui scannear. Pintar vai demorar um pouco. Minha vida anda meio atribulada. Nós tínhamos comprado uma mesa digitalizadora , mas a loja disse que não tinha mais no estoque e só daria para enviar daqui a quinze dias. Bom, eu cancelei a compra pois precisava dela urgente. Acabei tendo uma luz e peguei a canetinha na casa do meu irmão, ele ainda não tinha arrumado, mas eu falei pra Soni que ela ia funcionar na marra! Dito e feito! Fizemos ela funcionar, colamos um esparadrapo na pilha dentro e ela funcionou. É apenas um mal contato! ^^ Finalmente a Soni tá podendo terminar seu mangá. Fiquei feliz por isso e por não ter gastado mais dinheiro. As vezes, os problemas são chatos, mas temos que acreditar.
Estou na faze de colocar retículas nas páginas e tem dia que não dá pra fazer nada, eu e a Soni vamos ao correio entregar os mangás pros leitores que compraram. Ontem tivemos que ir na cidade vizinha porque na nossa não tinha caixinha pra enviar as penas G. As penas são pequenas e nem pesam quase nada, mas acabamos tendo que colocá-las numa pasta enorme. Cuidar da loja dá trabalho e as vezes dá até dor de cabeça, mas o objetivo é fazer os leitores felizes. A loja é para podermos vender nosso repasse, pois o repasse faz parte do nosso ganho com os mangás. Estou curiosa pra saber como andam as vendas na Comix. Na nossa loja tudo vai bem, tem dias que tem muitos compradores e tem dias que ninguém compra nada.^^ Eu fiz uma compra pra simular se os botões estão funcionado e vi que o pague seguro tá chatinho, ele pede pra fazer um cadastro, mas não aceita qualquer senha. Mas aí eu vi que mesmo sem fazer o cadastro a compra consta na nossa loja. Na hora de efetuar a compra ele pede o endereço de entrega e é só escolher a forma de pagamento e pronto, não precisa fazer o cadastro que o pague seguro pede em seguida.
Eu agradeço a todos os leitores que tiveram paciência para esperar os mangás chegarem, sei que não é fácil comprar algo na internet e depois ter que esperar quase dois meses pra receber o produto. Minna arigatou!
Pra falar a verdade, as vezes é um pouco estressante ser vendedor. Tem gente que perde a paciência e temos que ouvir muito, mas o cliente sempre tem razão. Nós somos quem, né? Só as autoras que se viram pra vender sua própria obra, o leitor é mais importante. O chato é que qualquer engano nosso jamais é compreendido. Fico com uma certa inveja dos japas porque lá os autores não precisam criar uma loja pra vender seus próprios mangás. Não estou reclamando do trabalho, mas a grama do vizinho parece sempre mais verde.^^ Aqui no nosso país as coisas são bem diferentes mesmo, quando a gente fala de boas vendas e sucesso de vendas estamos falando de vendas em termos de Brasil. Não é sucesso como no Japão onde um mangá desconhecido vende quinhentas mil cópias. Aqui não venderíamos tudo isso porque as editoras não fazem essa tiragem e porque os otakus leitores de mangá nem somam tudo isso. A TMJ é a única revista que chega perto de quatrocentas mil cópias, mas ela produz um milhão e consegue distribuir para todo Brasil e tem assinatura. O editor Franco de Rosa disse em uma entrevista que quadrinhos nacionais em geral vendem em média trezentas cópias e é só isso mesmo. Ele publica trabalhos nacionais quase que por caridade e amor ao quadrinho. Em outras palavras, vender mais de mil cópias é relativamente um sucesso. Lógico que se a tiragem foi pequena, ou seja, se foram feitas três mil cópias e vendeu mil e quinhentas é bom. Mas se foram feitas mais que isso, mesmo vendendo mais de mil o negócio fracassou.
Eu e a Soni estamos numa jornada de primeira publicação e isso é o que nos motiva. Dinheiro e vendas fantásticas só em sonho. Sem ir pra banca fica ainda mais difícil atingir vendas expressivas, mas mesmo vendendo bem nas bancas não significa dinheiro, pois as distribuidoras cobram 50% do preço de capa e se não vender metade eles cobram uma multa. Ou seja, compensa pro leitor chegar na banca e pegar seu mangá, mas pra editora pode não compensar.
Sempre vejo em blogs pessoas analisando o porque de mangás que não fizeram sucesso, alguns acham que foi por causa do desenho, do roteiro e etc. Mas eu sei que no Brasil os motivos para uma obra não ir adiante são milhares, não é apenas culpa do trabalho. Eu conheço desenhistas muito bons, mas eles não publicam porque no passado descobriram que não dá dinheiro suficiente. Não querem desenhar por centavos e ainda serem criticados por gente que nem comprou a obra deles. O feedback dos leitores é bom, mas tem gente que acha que o desenhista tá chuva pra levar raio na cabeça e pegar uma pneumonia. Nós desenhistas já enfrentamos muita coisa e tem gente que não aguenta e eu até dou razão. Eu e a Soni desenhamos porque gostamos de fazer isso e a experiência conta muito. Mas as vezes é duca...não o trabalho, mas o resto tudo que cai na cabeça. Acho que quem quer ser desenhista no Brasil precisa se preparar para muita coisa adversa.
Bom, mas existe o lado bom. É uma grande conquista quando vemos nossa obra concluída e quando conquistamos um leitor. Eu adoro tirar uma folha nova da embalagem e desenhar ouvindo música. Quando estou no computador artefinalizando as páginas eu fico pensando nos próximos quadrinhos que vou fazer e nas cenas. Fico imaginando como o leitor vai reagir quando ler a cena e também fico calculando a hora certa  de expor coisas e se aquilo vai prender a atenção e causar alguma emoção. É muito complicado, mas é muito satisfatório quando o leitor fala justamente do que sentiu numa cena e era o que eu queria que sentisse. As vezes eu me surpreendo com a reação, não imaginava que a pessoa ia pensar e sentir aquilo. Eu estou aprendendo muito e isso não tem preço. Outro dia, meu irmão disse que assistiu uma palestra sobre os artistas. Falava do lado espiritual e explicava que o artista deve se sentir bem e querer passar bons sentimentos para as pessoas através de sua obra. Dessa forma o público vai gostar. Não se trata de desenhar coisas politicamente corretas, mas de se sentir bem com o que faz, afinal, quadrinhos, músicas e filmes tratam de sentimentos e emoções. Só isso. O artista cria algo unicamente pra mexer com os sentimentos e despertar emoções nas pessoas. Se alguém riu onde o desenhista quis, ou chorou ou ficou corado, então o artista atingiu sua meta e propósito. E é isso que estou tentando e sei que somente a experiencia vai me dar mais esclarecimento. Por isso eu desenho mesmo que quase de graça e mesmo embaixo de dificuldades e cobranças.




segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Emoções do Volume 4 de Vitral!

Hoje eu e a Soni fizemos as emoções dos volumes 4 dos nossos mangás! Espero que gostem. Vamos usar algumas cenas pra explicar o que vai acontecer. Isshoni ikimashô!

Vitral 4!

Muyami parece muito à vontade com suas maldades! Ele não vai permitir que entrem em seu caminho e muito menos que o contrariem! Coitado do Hasami pai! Nesse capítulo Muyami tá muito louco, a Soni disse que ele tá tendo ataque de Carminha. rsrsrs
Daiji e Tsumi tiveram sua noite de amor no volume 3, mas agora precisam descobrir como irão se livrar da marca do Vitral. Os dois acabam fazendo uma promessa e juram cumpri-la custe o que custar!
Como desgraça pouca é bobagem, Daiji descobre que precisa da assinatura de seu pai no contrato para poder participar do concurso! A ideia de Midore corre o risco de não dar certo, mas Tsumi não vai desistir!
O problema é que Tsumi só se mete em encrenca! Nada é fácil pra ele! O pior é que Daiji acaba tendo que arriscar ser desmascarado para poder cumprir a promessa que fez a Tsumi. Como Tsumi vai reagir ao saber o sobrenome de Daiji?
 As coisas só pioram! Faltando um dia para entregar a música, Tadashi tira Tsumi da BadNews! Tsumi não quer ficar de fora e perder a chance de ser um músico profissional. As coisas realmente não vão bem pra ele.


Ops! O que Daiji quer com Tsumi dentro do elevador? XD Todos saberão no volume 4! 

E o que Kaiwa e Muyami estão aprontando na limousine? A Rosa branca está desafiando a Rosa Escarlate de Muyami!
Essa não! Tadashi fez algumas descobertas depois que Higa e Mirai resolveram ser audaciosos!
 
E o Espectro? Bom, ele resolve aprontar também!

É isso aí. Infelizmente não posso contar tudo que acontece pra não fazer spoiler. Mas acho que o capítulo 4 tá cheio de emoções e conta muita coisa sobre os personagens. Muyami tá começando a mostrar quem ele é de fato. Depois posto as emoções do volume 5. Até mais!  
Ah! O editor nos enviou as revistas e a loja do Futago está normalizada! O envio será imediato agora! Aproveitem! ^^

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Versão e-book de Vitral First Night e coisas curiosas.

Oi queridos leitores e colegas. Já está disponível na loja do Futago  a versão e-book em PDF do Vitral First Night. Custa 4,00 reais sem custo de correio e tem ilustração colorida. Eu e a Soni decidimos fazer o e-book pra ser mais uma opção para os leitores, não sabemos se as pessoas terão interesse em adquirir esse exemplar eletrônico, mas vamos testar.^^
Hoje compramos mais uma mesa digitalizadora porque uma das nossas não funciona mais. Nossa gata derrubou a caneta no chão e ela ficou meio sem contato com a mesa. Meu onichan ficou de consertar, mas até agora ele não teve tempo. Como não podemos perder tempo achamos melhor comprar outra.
Essa semana a Soni anda com dificuldade pra dormir, ela tá super preocupada com o repasse da loja do Futago que não chega. O Carlos ficou de enviar as revistas na segunda, porém até agora não chegaram. Eu não estou tão preocupada, mas não porque não é preocupante, é porque andei com um problema chato de saúde e ultimamente sinto dor todos os dias e isso é um saco. Só me distraio quando desenho e até esqueço do problema. Felizmente estou melhor hoje e sinto que o problema está me deixando. Eu fui ao médico, porém não consegui fazer os exames por causa de uma greve que impediu a coleta de sangue e outros exames. Quando fiquei muito ruim fui ao pronto socorro e a médica me passou um remédio que me ajudou. O Brasil precisa melhorar muito na área da saúde. E olha que aqui no sudeste o sistema é melhor do que no resto do país...Aft!
Mas vamos falar de coisas boas! Ontem terminei de ler Sakura Gari da Yu Watase com a Soni. Gostei do mangá que tem três volumes e é o primeiro BL dessa autora. A história é forte e cheia de dramas familiares, adorei. Os primeiros capítulos conseguimos em português, mas os outros só achamos em inglês. Foi assim mesmo. Meu inglês é bonzinho, só em alguns termos que tenho que parar pra traduzir. Teve uma frase que precisamos colocar no tradutor do google porque a gente entendeu completamente diferente. rsrs Por falar em inglês ainda não terminei o livro da história de Tezuka que meu onichan nos deu de presente quando voltou de Nova Iorque. Eu gosto de ler em inglês e estou me esforçando pra conseguir ler em Nihongo também. Agora já consigo ler os mangás mais simples. Bem simples...
Sakura Gari é um mangá que se passa nos anos vinte, mas a própria autora disse que não se preocupou muito com a parte histórica. Eu e a Soni vimos que a Yu Watase realmente deixou umas coisas como item de licença poética. Gosto disso, acho que em nome da história do mangá vale deixar fluir sem rigidez histórica. Claro que deve ser explicado depois. Mas só notei alguns "erros" como a câmera fotográfica que na época não seria possível. As câmeras fotográficas na época ainda estavam em evolução e a menina do mangá ficou presa no sobrado por nove anos até 1920, ela não poderia ter passado os nove anos anteriores fotografando as transas do irmão nesse tempo com aquele modelo de câmera. Ainda mais em interiores e depois revelar sem ninguém ver o conteúdo explícito das fotos. Ela teria que ter seu próprio laboratório, mas mesmo assim não daria certo.^^ Aquela câmera só surgiu em 1920 e não nove anos antes. Outra coisa é que depois da primeira guerra mundial ninguém chamava de primeira guerra já que não havia tido a segunda ainda. Era conhecida apenas por A Grande Guerra. O personagem jamais diria que estavam na depressão por causa  da primeira guerra mundial.  A segunda guerra só começou em 1939. Ou seja, dezenove anos após a história do mangá. Se fosse uma narrativa do personagem anos depois seria correto.^^ Mas o que vale é que a história foi boa.^^ No Kuroshitsuji também tem umas "modificações" históricas, mas eles usam celular e arma automática em 1800...então...Bom, no meu mangá eu inventei um país na costa sul de Primorsk...Acho que a arte tem que ter umas liberdades explicáveis.^^ Só acho que as modificações devem ser feitas em nome do andamento da trama e não por preguiça de pesquisar. Eu vi em alguns mangás nacionais que os autores usam as leis dos norte americanos por influência dos filmes, mas não usam as leis do Brasil. Bom, se funcionar e ninguém notar, né?
Outra coisa curiosa que eu notei em relação aos meus mangás é que desde sempre criei histórias que se passavam no Brasil, mas nunca consegui publicá-las. Só consegui publicar histórias que se passavam em outro país ou mundo diferente. Angel Cats se passava no planeta Luz. Passei quase quinze anos tentando publicar histórias com nomes nacionais e ambientalização aqui, mas sei lá porque nunca consegui publicá-las. Eu olhei meus desenhos antigos e não estavam tão ruins pra não serem aproveitados. Eu me lembro do meu primeiro yaoi que chamei de A Festa da Lua Cheia, o fanzine até ganhou prêmio, mas ninguém gostava do nome que dei pro personagem. Ele se chamava Laércio, a minha irmã mais velha torcia o nariz e gostava do nome Anthony do outro personagem. Que coisa, né? Depois que resolvi chutar o balde e criar o Vitral com nome em japonês e leitura oriental o meu trabalho foi publicado. Claro que eu não sei se publicariam as minhas outras histórias, mas isso foi curioso. Em pensar que agora os autores pagam maior pau pra fazer mangá que se passa aqui e eu passei mais de dez anos fazendo mangá com história no Brasil. Mas também teve autores que só publicaram depois que fizeram mangá ambientalizado no Brasil, antes não faziam questão. O mundo é muito louco.
A Soni disse que até foi bom a gente não ter publicado antes porque agora ela tem mais noção de roteiro. Mas acho que tudo tem sua hora certa mesmo.
Coloquei aqui uma das páginas do volume 4 de Vitral. Nesse sample ainda tá sem retículas, mas serve de amostra. Espero que gostem.^^

Beijos a todos!

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Fotos do especial Vitral First Nigth!

Olá tomodachis! Fiz algumas fotos do especial Vitral First Night para mostrar como ficou. Tem case transparente com o logo, capa em couché colorida e miolo preto e branco. Formato 14 cm x 21 cm. São 22 duas páginas com a noite de amor dos personagens. Esse volume especial contém a continuação das cenas do volume 3, são as cenas mais yaoi que só quem adquirir o especial vai ver o que aconteceu durante a noite. ^^ Espero que gostem! Ah! Obrigada a todos que já adquiriram o especial. Estou muito feliz com o sucesso do primeiro mangá feito pelo Futago Produções. Arigatou! 
Os volumes estão a venda na loja do Futago.






terça-feira, 28 de agosto de 2012

Quem planta colhe. ^^ Resumo da trajetória.


Essa frase do título serve muito bem para ilustrar o que aconteceu comigo desde o começo do projeto Vitral mangá. Sinto que fiz certo ao decidir não desistir apesar de todo o atraso para a saída dos novos volumes. Não foi nada fácil lidar com isso, mas de repente tudo começou a dar certo novamente. É como um dia de sol depois de semanas de chuva fria, finalmente sinto o calor da realização chegando. Também sei que isso se deve ao meu esforço e coragem pra levar a diante um gênero de mangá que não é nem muito bem visto no Brasil e no mundo. Vitral é o primeiro Boys Love do país e tende a ser um projeto com muitos ineditismos como o fato de terem saído dois volumes simultaneamente. Isso nunca foi feito no Brasil creio eu.
Quando eu e a Soni criamos o Futago Estúdio de mangá estávamos sem perspectiva e totalmente sem grana. Lembro que levamos três meses pra juntar trinta reais para pagar o domínio do site. Era dezembro de 2009 quando colocamos o site no ar com os primeiros capítulos disponíveis para serem lidos. Na época tínhamos feito uma pesquisa na comunidade do orkut para saber se as pessoas preferiam ler os mangás com leitura oriental ou ocidental. A leitura oriental ganhou e fizemos os mangás assim. Não tínhamos perspectiva nenhuma de publicar. Mas um dia eu acordei com uma idéia fixa de procurar no Google as palavras “mangá nacional”. Eu queria saber o que as pessoas pensavam e estavam fazendo a respeito disso, fiz como uma pesquisa mesmo e de repente encontrei um site de uma editora chamada Quadrix que tinha uma página para envio de material e eles estavam criando um  almanaque com vários gêneros de quadrinhos inclusive mangás. Fiquei interessada e enviei o mangá da Soni que tinha o primeiro capítulo com vinte e quatro páginas como eles queriam, eu sabia que poderia não ser aceita já que a leitura estava no sentido oriental. Mas sabe aquela coisa que diz que a gente não tem nada a perder? E enviei no domingo, na segunda recebi o e-mail do editor dizendo que não ia publicar na revista por causa do sentido de leitura. Fui lendo feliz apesar de não ter sido aceita, mas logo em baixo ele dizia que lançaria solo. Eu e a Soni corremos para a cozinha e contamos para a Dida, nossa irmã mais velha. Ela leu o e-mail e ficou feliz também. Pra falar a verdade foi a primeira vez depois de um ano da morte do nosso pai que a gente conseguiu ficar feliz de verdade. Já tínhamos enviado o OPBS para algumas editoras mais conhecidas, mas não tivemos respostas. Por algum motivo eu acreditei de novo e tive um bom resultado. Fizemos o segundo capítulo em fevereiro de 2010 em pleno carnaval.
No mesmo mês a editora anunciou o lançamento no site J-Box e nós até que chamamos atenção. Nesse intere o editor sumiu de repente e ficamos três meses sem notícia, o editor que tinha ficado no lugar nos enrolou e para a nossa surpresa eles cancelaram todos os títulos de mangá. Ou seja, nosso sonho ficou frustrado de novo. Eu me senti chateada com o descaso da editora, mas a Soni não quis ficar parada e enviou o Vitral para a HQM. Passamos alguns dias sem olhar a caixa de e-mail porque ficamos empolgadas com o show do Versailles e só vimos o e-mail de resposta do Carlos dias depois do show. Ficamos super felizes de novo e ele também quis publicar OPBS. Estávamos doentes por causa de uma pneumonia que pegamos em São Paulo no dia do show e também estávamos com dengue. Só que a gente tava tão feliz que nem sentimos as doenças, nós conseguimos diagramar as revistas e elas foram lançadas no Anime Friends. Infelizmente não conseguimos ir porque estávamos sem grana por causa dos remédios. Deu tudo certo e vendemos bem, depois o Carlos disse que algo inédito tinha acontecido, as revistas esgotaram na Comix em uma semana. Isso nunca havia acontecido com revista nenhuma da HQM. Aquilo animou o editor que colocou as revistas nas bancas. Eu e a Soni começamos a nossa loja e começamos a dar entrevistas até na TV. Foi muito bom pra nós o reconhecimento das pessoas que enviavam e-mail nos apoiando. Claro, teve gente que odiou e fui até acusada de plágio por um Zé contrinha. Mesmo atribuladas fizemos os volumes 2 para saírem em outubro de 2010. Bom, não saíram e o Carlos disse que em janeiro de 2011 sairiam. Beleza, mas passou janeiro, fevereiro e março e o editor não entrou em contato. Escrevi muitos e-mails e perguntei se os volumes iam sair ou não. Ele finalmente respondeu que sim e nós ficamos mais tranquilas. Mas depois disso, os volumes foram ficando pro próximo mês e pro próximo mês. Quando chegou junho ele disse que sairia no AF, depois disse que em novembro e depois em fevereiro de 2012! Eu e a Soni ficamos flutuando sem saber o que fazer, alagumas pessoas começaram a tirar com a nossa cara e dizer que tínhamos fracassado. Durante 2011 inteiro ficamos tentando resolver os problemas com a HQM. O editor me deu vários motivos para não ter lançado, mas nada ia pra frente. Chegou uma hora que eu achei que tínhamos uma maldição do volume 2. Continuamos desenhando mesmo desanimadas e com pessoas ridicularizando até a minha capa. Felizmente conquistei muitos leitores que jamais desistiram e jamais perderam a esperança e isso me deu força.
E finalmente posso dizer que o projeto vai continuar de fato. O preço subiu, mas em nome da realização do projeto eu concordei. Conto com o apoio daqueles que acreditam que as coisas podem mudar no Brasil e dos meus leitores e fãs.
Confesso que teve noite que não dormi pensando em como ficaria o projeto com o fim da publicação. Eu me senti muito mal e tentei não ficar com aquele pensamento do “por que eu nasci aqui?”. O pior momento foi quando eu me vi a beira de dois anos sem nenhuma publicação. Sei que muita gente entende que aqui é Brasil e não funciona da mesma forma que em outros lugares, mas existem pessoas que acham que eu é que fui mole, chorona e cheia de mimimi e até anti profissional. Que tudo deu errado porque eu não devia ter nem tentado já que o que faço não parece melhor e nem novo perto dos mangás japoneses. No entanto, eu só consegui ter uma primeira publicação e mesmo com problemas consegui continuar porque eu PLANTEI PRA COLHER! Fiz o mangá, desenhei ele e fui atrás das editoras apesar do Brasil não ser nem de longe como meu amado Japão. Lá eles admiram o bambu que entorta e se curva com o vento, mas não se quebram. Aqui acho que podemos seguir a bananeira que após dar os cachos ela morre e surge outra. A gente sofre mais, mas produzimos frutos.
Eu e a Soni resolvemos investir no nosso estúdio, estamos produzindo nossas próprias revistas. No começo serão apenas especiais. Mas com esforço poderemos expandir. Claro, não foi fácil criar o Futago Produções. A gente ainda é pobre e investimento significa dívida... mas espero que gostem e apóiem o nosso trabalho.  Essa idéia partiu da nossa vontade de não deixar os nossos leitores sem a continuação caso a editora demorasse mais. Isso encareceria muito mais o produto, mas seria o jeito.^^
Ah! Quem quiser já pode ir encomendando as revistas na nossa loja. Ainda estamos esperando a editora enviar o material, mas acho que chegarão semana que vem e por isso resolvemos já abrir as vendas. Arigatou! 

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Hoje Vitral 2 e 3 e O Príncipe do Best Seller foram pra Comix!

Olá tomodashis! Estou muito feliz porque os mangás do Futago estão finalmente prontos e podem ser adquiridos na Comix online e na loja física. O preço subiu, mas tem mais páginas.^^ Espero apoio de todos que estavam aguardando a publicação dos volumes 2 e 3 de Vitral e também dos volumes 2 e 3 do O Príncipe do Best Seller. É muito importante pra nós e pro mercado de quadrinho de mangá nacional que haja apoio agora. Doumo Arigatou ao Carlos e a todos que me apoiaram desde do lançamento do volume 1.
Depois de tudo estou aliviada e com uma esperança renovada de que Vitral mesmo diante das dificuldades do mercado nacional pode seguir em frente e não seja mais um sonho chegar no final da série com a mesma editora.
Um dia quero ver os 12 volumes enfileirados um embaixo do outro na Comix.^^ 
Em breve os volumes estarão na loja do Futago juntamente com o Especial Vitral First Night. A Soni vai colocar o áudio drama pra ser ouvido já no domingo. 
Ah! No site tem os resumos que enviei pro Carlos, não sei se ficou bom a ponto de dar vontade de ler. Não dá pra colocar tudo que acontece nos mangás porque senão vira spoiler.

Ontem eu terminei mais um volume de Vitral e fui desenhar o próximo, mas minhas folhas acabaram!   Nem vi as 500 folhas acabando. Comprei mais numa loja da internet e só chega semana que vem, enquanto espero vou fazer mais ilustrações. 

Beijos a todos!





quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Tutorial- como fazer as speed lines (linhas de ação) no mangá.

Oi tomodachis! Hoje vou dar dicas de como fazer as speed lines nos quadrinhos de mangá. As speed lines são as linhas de ação que dão movimento as cenas e também destacam emoções. Com as técnicas de como fazer perfeitamente as linhas vc também poderá fazer balões , raios etc.
Eu fiz esse tudo porque uma vez me disseram que as linhas não precisavam serem perfeitas, mas discordo já  que a técnica ajuda a fazer as linhas perfeitamente. Não é difícil apesar de ser trabalhoso.

Observe alguns exemplos de linhas de ação:
As linhas podem variar de quantidade de traços e espessura como podem ver. Vamos à prática:

Material para treinar:
1- Folha sulfite comum.
2- Pena ou caneta nanquim recarregável ou descartável. ( para os iniciantes recomendo o uso das canetas, pois para usar a pena é preciso mais habilidade.)
3- Lápis preto HB.
4- Borracha branca.
5- Régua de 30 cm transparente.
6- Dois esquadros transparentes.
7- Régua francesa.
8- Tinta nanquim.
9- Pincel.
10-Compasso.
11- Errorex.
12- Taxinha.
13- durex.


Observe a figura abaixo:
Figura 01: Quando chegar no final do traço levante a pena/caneta como mostra o desenho. Desta forma a linha afina perfeitamente.
Figura 02: Observe o lado que a régua deve ser usada em relação ao papel, isso evita borrões de tinta.
Figura 03: Para que suas linhas fiquem retas observe como usar os esquadros.
Se usar a caneta não esqueça de deixá-la 90° em relação ao papel para o traço não ficar desigual.

Observe a próxima figura:
A terceira linha mostra como deve ficar seu traçado. As linhas não devem ficar falhando como na segunda linha e nem sem o final diminuindo como na primeira.

Agora que vc já sabe como traçar. Vamos em frente! Observe as figuras abaixo:

Figura 01: Faça um ponto no centro do quadrinho, ele é o ponto de fuga. Toda linha de ação deve partir de um ponto de fuga. 
Figura 02: Com o compasso faça um círculo indicando onde as linhas não vão ultrapassar.
Figura 03: Faça à lápis o rascunho das linhas.
Figura 04: Com a régua, trace as linhas usando a técnica explicada no começo do tutorial. Se estiver inseguro, faça à lápis e depois com a caneta ou pena.
Figura 05: Veja o resultado. ^^
Se alguma linha sair errada use o errorex. 

Agora vamos fazer as linhas horizontais: 

Figura 01 e 02: Elas podem ser bem espaçadas ou bem juntas. A quantidade de linhas dá a sensação de mais velocidade.
Figura 03: Faça à lápis as linhas guias para determinar o tamanho de suas linhas.
Figura 04: Usando a régua faça as linhas respeitando a sua guia. 
Quando for fazer as linhas retas, mas transversais no quadrinho use os esquadros como mostrado no começo do tutorial para que elas fiquem perfeitas.^^

Observe a figura abaixo:

Figura 01 e 02: Faça o ponto de fuga e trace a guia para as linhas.
Figura 03: Faça as linhas no sentindo anti-horário para não borrar tudo. 
Figura 04: Faça as linhas em todo o quadrinho.
Figura 05: Veja como devem ser as linhas. Para tapar os buracos use o pincel com tinta preta. 
Figura 06: As linhas não podem ficar separadas.

Agora veja um exemplo de como usar a técnica das linhas em outras coisas:

Figura 01: Faça as linhas, pinte ao redor de preto.
Figura 02: Com o errorex ou tinta acrílica branca faça os raios e os pontinhos brancos. 
O efeito é ótimo, não é mesmo?
Figura 03: Para fazer o balão comece traçando a guia a partir do ponto de fuga. Faça três círculos.
Figura 04: Faças as linhas no sentido anti-horário.
Figura 05: Observe que as linhas ficam dentro do segundo círculo.
Figura 06: Espere secar e faça as linhas no sentido horário respeitando o círculo como na figura.
Muito fácil, não é mesmo? 

Experimente fazer o balão a seguir:


Figura 01: Veja como as linhas podem formar esse charmoso balão.
Figura 02: Trace o ponto de fuga e desenhe sua guia.
Figura 03: Faça as linhas no meio.
Figura 04: As linhas devem ter esse efeito. 

Veja a figura abaixo:
Figura 01: Usando a régua francesa vc pode fazer as linhas de ação curvadas.
Figura 02: Observe que também segue o ponto de fuga central.
Figura 03 e 04: Para facilitar vc pode colocar uma taxinha no centro colada com durex.
Figura 05-06-07-08 : Outros tipos de linhas de ação curvadas que podem ser feitas com a régua francesa.

Por fim, uma amostra de página dupla feita por mim no mangá Vitral publicado em 2010. Fiz as linhas de ação usando as técnicas que passei aí em cima. Usei a canetinha descartável porque na época não tinha a pena G ainda. ^^


Espero que tenham entendido o tutorial e pratiquem. As linhas de ação bem feitas são um detalhe que pode fazer a diferença no seu mangá. Os detalhes de técnica são o que diferem um profissional de um amador. Para facilitar vc pode usar as linhas prontas e colocar com a ajuda do PC, mas é importante saber fazer a mão também. Pois técnica apurada nunca é demais. Com treino dá pra fazer linhas bem mais complexas. 

Ganbare!!

Observação: As linhas de ação são usadas em todos gêneros de mangá. Além de movimento, elas indicam emoções fortes. Bom, quem faz torto tem coração torto.XD





quinta-feira, 12 de julho de 2012

Vitral para maiores!

Olá colegas mangakás! Hoje terminei a capa do especial Vitral First Night, usei uma ilustração que eu já tinha. Na verdade, fiz várias capas, mas no final gostei mais dessa. O volume especial vai ter um case transparente muito xiki.^^ Quem adquirir o First Night ganhará um brinde especial que já estou correndo atrás pra fazer. Bolar um brinde não é nada fácil...andei a cidade toda e não encontrei o que eu queria. Na internet tem a matéria prima, mas os sites online não sabem vender os produtos. Entrei numa loja que além de analisar seu perfil e localidade por e-mail, ainda exige que o cliente gaste acima de uma determinada quantia. O problema é que o pagamento é por depósito bancário, não é cartão, então isso não justifica a exigência...Muita gente precisa aprender a fazer loja na internet, é preciso facilidade para o cliente. Mas acredito que vou encontrar o que quero logo. Eu e a Soni estamos criando brindes para os últimos exemplares dos mangás volumes 1. Vai ficar muito bacana.^^ O grande problema do brinde via correio é que não pode ser nada pesado nem grande demais para não dar encrenca. O correio tem muitas regras que limitam nossas ideias, é mais rígido que aeroporto. O brinde não pode ficar caro pra gente e nem para o leitor, mas tem que ser bonito e legal.
Não paramos nossos planos por causa dos problemas com a editora e estamos seguindo em frente. Esperamos que tudo dê certo com o Futago Produções e agradeço o apoio de todos para que o sonho continue.
É isso, espero ter mais novidades até o fim da semana. Aliás, essa semana será ultra mega power decisiva para minha carreira de desenhista de mangá. Torçam por mim! Chega uma hora que é tudo ou nada.
Eu e a Soni ficamos a segunda feira inteira decidindo o que fazer. Tivemos até que jogar Tarô para nos ajudar a decidir. As cartas nos ajudaram a pensar, mas o que nos levou a decidir foi o amor que a gente tem pelo mangá. Espero que o nosso futuro seja mesmo o Sol apesar da Torre como obstáculo. A lâmina do Sol é a felicidade e sucesso triunfante e a Torre é nada mais nada menos que o oposto...Mas no jogo, acredito que se refira ao nosso orgulho que a gente vai ter que superar pra seguir em frente. O orgulho realmente sai machucado quando as coisas não saem do nosso agrado e nada saiu. Porém, é hora de superar e ir para o magnífico Sol.
Kisus a todos!^^

terça-feira, 26 de junho de 2012

Mangaká e prostitutas, profissões parecidas.


Li um texto interessante onde o autor Thomas Roth, no jornal Propaganda & Marketing compara o trabalho de publicitário ao trabalho de uma prostituta e acabei pensando no trabalho de mangaká. Acho que também posso comparar o mangaká à uma prostituta.  Troquei algumas palavras do texto e vejam como ficou. ^^Espero que se divirtam com o trocadilho.


"Você recebe para deixar as pessoas felizes (igualzinho às prostitutas); seu trabalho sempre vai além do expediente (igualzinho às prostitutas); você acaba fazendo coisas que alguns acham genial, mas você acha idiota (igualzinho às prostitutas); você é mais produtivo à noite (igualzinho às prostitutas); você é recompensado por realizar as ideias mais absurdas do leitor (igualzinho às prostitutas); você é recompensado por sugerir as ideias mais malucas aos seus leitores (igualzinho às prostitutas); seus amigos se distanciam e você só anda com outros iguais a você (igualzinho às prostitutas); quando você trabalha, pode estar de qualquer jeito.
Quando vai a TV e dá entrevistas, você tem de estar sempre apresentável (igualzinho às prostitutas). Quando começa a desenhar é muito bom, mas, quando você termina, parece saído do inferno (igualzinho às prostitutas); o leitor quer sempre pagar pouco, mas exige que você faça maravilhas (igualzinho às prostitutas); quando te perguntam no que você trabalha, tem dificuldade para explicar (igualzinho às prostitutas); ninguém quer ter uma filha ou filho casado com você. Mas se você vira celebridade, todo mundo quer tirar foto ao seu lado, te convidam pra festas (igualzinho às prostitutas); se as coisas dão errado, é sempre culpa sua (igualzinho às prostitutas); você sempre acaba fazendo mais do que o combinado inicialmente (igualzinho às prostitutas). 
Bom, diferentemente das prostitutas se nós falarmos palavrões e ou qualquer coisa dirão que não somos profissionais. 
Finalmente, todo dia você diz: Não vou passar o resto da vida fazendo isso! (igualzinho às prostitutas). Acho que esse meu lado “prostituta” fala mais alto, porque a verdade é que eu não quero parar de fazer isso.
Sou apaixonada  por aquilo que faço, até por alguns autores.  Nossa área é altamente competitiva por que, mais do que bons profissionais, ela é recheada de profissionais “apaixonados”. E, diferentemente das prostitutas, a gente, sendo remunerado ou não, acaba fazendo o trabalho com o mesmo tesão.
Nós, diferentemente das prostitutas, temos que agradar a vários (leitores, editoras, blogueiros, resenheiros e colegas) ao mesmo tempo, mas não  recebemos de todos, alguns leem de graça.  Prestamos o serviço na hora, mas recebemos muito tempo depois. Quando recebemos. Mas, igualzinho às prostitutas, a gente não tem lá muita vergonha na cara e fica inventando um monte de desculpas para explicar por que a gente está “nessa”. A verdade é: a gente adora essa vida. Porque mangá é paixão, é droga, é vício. E dá um prazer danado..."

Bom, com isso eu concluo que mangakás e publicitários são mesmo iguais, todos nós nos prostituímos de vez em quando (no bom sentido).rsrs A única diferença é o dinheiro, as prostitutas e publicitários sempre ganharão mais que eu aqui no Brasil. Me sinto meio ovelha negra   as vezes por fazer BL, mas eu gosto do que faço. ^^

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Fanartes do Vitral no site!

O site do Futago está sendo atualizado aos poucos, mas já pode ser visitado principalmente a página do Vitral. Assim que entrar vai ver o desenho de Daiji e Tsumi andando na rua, mas se passar o mouse sobre a figura vai ver a "verdade" rsrs.
A página de personagens ainda está em construção e a parte em japonês também, fizemos um esquema de personagens pra ilustrar melhor a ligação entre eles. Também quero muito ter uma página com os personagens terciários.

Gostaria de convidar quem quiser fazer fanarte do Vitral para participar do site numa página dedicada a eles. Seu desenho vai aparecer no site com link para sua página ou blog. Eu já tenho alguns e vou colocá-los  nessa página em breve. Para participar é só enviar um desenho para o contato@futagoestudio.com.br com seus dados e o link para sua página.^^

Quanto ao especial, falta pouco pra terminar as páginas! Só preciso fazer a capa... Já tenho uma ideia, mas não rascunhei ainda.

Só passei pra comunicar sobre a página de fanarte mesmo.
Beijosss



sexta-feira, 15 de junho de 2012

Ganbare sempre!

Olá tomodachis! Essa semana eu estou terminando o Vitral Especial. Tudo até agora está indo bem, estou só esperando a chegada do AF para finalmente ter os volumes 2 e 3 lançados. A Soni está arrumando o site do Futago Estúdio que será todo em preto. Parece que agora as coisas voltaram ao eixo para o nosso estúdio. No fundo eu fiquei feliz pelo lançamento dos volumes 2 e 3 serem simultâneos, assim compensa a demora de uma certa forma. A página acima pertence ao volume 3 e foi arte finalizada com a Pena G, fiquei contente com o resultado e espero que todos possam conferir com mais detalhe no mangá impresso. Espero que gostem da minha primeira experiência com a Pena G.
Hoje eu estava conversando com a Soni e lembramos que em 2007 tivemos uma grande frustração artística. Fizemos nosso projeto e fomos no AF, mas vendemos  só um exemplar. Foi um fracasso, mas no fundo foi bom ter acontecido isso, nem só de sucesso vive o desenhista de mangá. Entretanto, aprendemos muito com nosso não-sucesso na época. As vezes temos que respirar fundo e continuar mesmo que pareça impossível ter sucesso. Quando a HQM começou a demorar e o editor sumiu como fez o editor da Quadrix, nós duas respiramos fundo, mas nossa experiência anterior tinha nos deixado mais fortes e tranquilas. Acho que se não tivéssemos fracassado em 2007 não teríamos aguentado 2011 sem publicação nenhuma. Naquele ano ninguém estava lançando nada, foi uma espécie de era vazia do mangá nacional. Não tinha nem a TMJ e desde de 2004 não havia mais mangás nacionais de espécie alguma. Era quase um sinal pra gente desistir. E quanto tudo tava ruim piorou mais um pouco pra nós, mas nos reerguemos em 2009.^^
Bom, o fato é que as coisas que não dão certo acabam nos ensinando coisas valiosas. Nós queremos dar certo logo de prima, mas as vezes temos que superar alguns percauços antes. Não importa a natureza do problema, o importante é manter a vontade de resolvê-lo. Quando a coisa não tá indo bem é porque o caminho tá errado e não o sonho.
Depois de um fracasso a gente fica com medo de fazer qualquer outra coisa, tudo parece que vai dar na mesma. Ficamos com medo até do que poderão falar se fizermos algo. Começamos a calcular e tentar adivinhar o futuro, mas tudo isso é bobagem. Ainda bem que não desisti por causa disso...aft! Mas a única coragem que temos que ter depois de um fiasco é analisar o que fizemos de errado e continuar. Também nunca é tarde pra seguir em frente. Quando o tempo vai passando a gente vai perdendo a vontade de acreditar e perdemos nosso entusiasmo. O certo é acordar como uma uma criança que salta da cama pensando na brincadeira que vai fazer e não ser um ser deprimido achando que isso é normal. O normal é ser feliz sempre e acreditar.^^
Kisus




sábado, 19 de maio de 2012

VITRAL especial.

Olá tomdachis! Postei uma foto de amostra do Vitral especial que estou fazendo ( é a única página que dá pra por aqui sem precisar de tarja preta...).Vou artefinalizar as 16 páginas semana que vem e depois colocar as retículas. As pessoas estão com dúvidas sobre esse especial, mas ele não será lançado pela HQM e sim pelo Futago Produções e só terá na loja do Futago pra comprar. No volume 3 que vai sair em julho no AF tem cenas de romance/sexo, mas não é nada explícito como no especial. Como eu disse pro editor não vai ter nada chocante nos volumes oficiais, mas vou fazer especiais à parte como muitas mangakás fazem no Japão.

Eu e a Soni estivemos labutando com o note ultimamente, primeiro a HD morreu, mas colocamos outra. Porém, ficou horrível! Ficou um mês no técnico e continua horrível. Às vezes ele desliga do nada e agora deu pau no Photoshop. Não conseguimos instalar de novo e acabamos baixando a versão portátil pra poder fazer o mangá do PSDB em baixa pro editor revisar. Ele deve estar achando estranho a demora pra gente enviar isso. Mas até conseguir mos consertar o Photoshop vai demorar mais um pouquinho. Antes de pifar deu tempo de enviar o volume 3 do Vitral pro editor, ufa! O problema do Photoshop portátil é que não tem alguns recursos que a gente sempre usa, por isso estamos nos adaptando.

É isso e espero que todos gostem do especial que será lançado em julho também. O Especial terá o +18 na classificação, ou seja, feito pra fujoshi maior de idade. Não tem nada que quem já lê BL não tenha visto, mas eu procurei caprichar nas ideias. Fiz cenas difíceis anatomicamente falando. Não é fácil desenhar cenas yaoi, exige muito do desenhista. Porém é divertido.^^


quinta-feira, 3 de maio de 2012

Finalmente data de lançamento de Vitral!!!

Hoje eu tive uma ótima notícia. O Carlos disse que vai lançar os volumes 2 de Vitral e do Príncipe do Best Seller em julho no Anime Friends! Mas resolveu lançar também os volumes 3 juntos a pedido da Comix. Achei uma ótima ideia. Até lá termino o volume cinco que vai sair junto com o quatro depois do lançamento dos volumes 2 e 3. Assim, ficou bom pra gente e pro Carlos. Lançar de dois em dois volumes é legal, espero que a ideia dê certo e conto com todos pra dar apoio. Tem que vender bem.^^
Mas é isso! Desta vez vou tentar ir no AF pra curtir o evento e falar com as pessoas. Fiquei feliz porque saindo o volume 3 poderei lançar o especial do Vitral com a First Night, talvez dê pra levar algumas cópias no evento pra quem quiser ver como foi a primeira noite de Daiji e Tsumi. hehehehe Também acho que vai dar pra terminar o clip animado. Tenho pouco tempo, mas vou me esforçar! Tomei a pílula de super mangaká** e tá funcionando!
Mas brincadeiras à parte, estou desenhando bastante e depois que a Soni terminar os volumes de OPBS ela vai me ajudar a terminar o Vitral. Com isso terminaremos bem mais rápido.^^
Quero agradecer a todos que sempre nos deram apoio e a gente se vê no AF!Kisus!
** A receita da pílula foi retirarada pois tem gente que tem alergia.^^rsrs

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Como um editor se mata?

Olá minna!! Espero que todos estejam bem!


Ultimamente tenho apenas desenhado muito. Fiz as páginas do especial First night do Vitral e acabei me divertindo muito com as cenas yaoi entre Daiji e Tsumi. O especial terá apenas 16 páginas que contam como foi a primeira vez dos personagens. É uma continuação das cenas do volume três. Pena que fiquei sem computador pra terminar a arte final. Mas amanhã o note ficará pronto e colocaremos tudo em dia.Também quero continuar o clip animado que tinha começado. A soni fez a música e eu ajudei com a letra, a música se chama Dreams come true. Os meninos dubladores já aceitaram cantar e estou ansiosa pra ver como vai ficar. Eu e a Soni tivemos que cantar a música para mostrar como é a melodia. Comprei um microfone e ficamos gravando a música. Ficou muito ruim mesmo, a gente não sabe cantar música popular...mas dá pros dubladores entenderem pelo menos. Ainda bem que eu não tenho que cantar nada. Deixo o trabalho para quem faz melhor mesmo.^^ Estou feliz com esse projeto, finalmente meus personagens terão vozes.

Quanto aos volumes de Vitral, o editor falou comigo no Face e disse que estava tendo problemas com as distribuidoras que são monopólio da Abril. Nisso, ele disse que queria fazer mil e duzentos exemplares e vender via internet antes de fazer um número suficiente pra poder ir pras bancas. O problema é que Vitral passaria a custar dez reais, pois tem mais páginas. Fazer menos exemplares na gráfica sobe o preço de custo. Ele também disse que não colocaria nem na Comix ( onde nós arrasamos de venda no volume 1, coisa que nunca aconteceu na história da HQM...) pois eles cobram 50% do preço de capa. A única vantagem seria que na loja da HQM não haveria frete para os leitores.

Bom, eu e a Soni ficamos pensando, mas chegamos a conclusao de que devíamos aceitar e aceitamos. Afinal não temos nada mesmo. No entanto o editor sumiu de novo e já faz mais de duas semanas que ele não me diz nada. Não sei se ele está correndo atrás ou simplesmente deixou o Futago de ladinho. Só o tempo dirá.

Eu e a Soni resolvemos deixar os problemas com a editora de lado e tocamos a terminar o projeto mesmo com todas as coisas indo de um jeito que não nos satisfaz. Não quero ser injusta com o Carlos e vou deixar ele a vontade pra fazer o que ele acha melhor pra ele e pra editora. Mas espero que ele tire pelo menos um minuto de seu dia pra pensar na gente e no que fazer. Afinal, as coisas não se resolvem sem que a gente queira que se resolvam. Não vou parar com o projeto por causa de problemas com grana e editora. Eu coloquei na minha cabeça que sou uma super mangaká e funcionou, estou desenhando vinte páginas por dia. Não é exagero não, eu tô mesmo fazendo isso. Vou terminar Vitral já que tenho todo o roteiro pronto e acho que meu erro foi ficar na moleza enquanto o senhor Carlos me deixava a ver navios. Não digo que fiquei coçando, mas fiquei esperando a reação dele pra agir também e isso atrasou meu trabalho. Infelizmente o projeto vai ficar sem o feedback dos leitores pra melhorar no volume seguinte, pois quando todos puderem ler ele vai estar todo desenhado e não haverá mudanças pela opinião das pessoas.

Eu e a Soni vimos que o Brasil em termos de publicação é muito diferente mesmo do Japão. Dãããã... Em um dos capítulos de Sekai Ichi Hatsukoi os personagens fazem uma reunião pra decidir quantas revistas de determinado autor eles vão fazer. Eles brigam pois o departamento de contas acha melhor fazer duzentas e cinquenta mil cópias enquanto os editores acham que devia ser feitas trezentas e cinquenta mil cópias e ainda assim ter que arcar com prejuízo caso tivessem que mandar rodar mais, pois no tempo que eles fazem isso perdem vendas. Antes sobrar do que faltar é o lema dos editores do seriado. Achei interessante isso. Na hora eu ri, pois nesse dia que assisti o episódio o editor da HQM queria fazer as mil cópias de Vitral e OPBS... Eu me sinto brigando por dois reais enquanto no japão se briga por milhões. É, acho que vai demorar um pouco pro Brasil chegar nesse patamar. As vezes eu penso se é normal ou se realmente pode melhorar. Tem gente que discute e até fica bravo com as editoras pra saber quanto se faz e quanto se vende de mangás no Brasil, pois as editoras não divulgam números de venda. Mas é só pensar em termos de Brasil, pra ir pra banca tem que ter acima de cinco mil cópias. Vende-se pelo menos metade disso. Ou seja, se vc acha que as ediotras estão mentindo que vendem muito e escondendo o ouro pode estar enganado. Acho que sucesso a gente não esconde, se eles vendessem umas cem mil cópias dos mangás eles estariam se gabando, isso eu garanto. A gente é tão pé de chulé em termos de edição de revistas que chega a ser patético. Talvez rodar as revistas na China saia mais barato que nas gráficas daqui. Acho que na hora que o Brasil cansar de ser patético e mendigo a gente muda, desculpe o desabafo gente, mas é assim.

A Quadrix aceitou o nosso projeto e eu me lembro que teríamos mil cópias também das quais trezentas a gente tinha que se virar pra vender. As outras cópias eles iam vender sabe se lá Deus como porque também não distribuiam. Vendo a tragédia eles mesmos cancelaram as edições de mangás sem avisar ninguém, claro. Só que essas paradas a gente só descobre depois que assina o contrato. A Editora Infinitum/oráculo que também nos queria, não tinha nem possibilidade de rodar fisicamente as revistas, seria e-book. Mas vcs não concordam que pra isso eu mesma poderia fazer? Não é arrogância minha, não. Afinal eu também tenho adobe acrobat em casa e posso vender na loja. Que vantagem eu teria já que eles não vão fazer propaganda e nem vender o e-book em lojas de e-book famosas? O pior é que nem diagramação eu teria, fora que existe um problema nessa editora que é a imposição de tema. Fatalmente tem que mudar sua obra pra encaixar no perfil da editora. Mas a gente não recebe mais por isso, aliás nem se fala em dinheiro. Quando a Soni falou em dinheiro o editor da Infinitum sumiu, nunca mais entrou em contato.

O Fonseca da NewPop me adicionou no Face e eu tentei falar com ele, adivinha...fui ignorada totalmente. Será que ele queria apenas amizade em comum pra poder fazer amizade com artistas famosos que tenho no meu face? Fiquei imaginando se seria isso já que ele não falou uma palavra comigo, nem com a Soni e nem com o Ju. Por que ele queria amizade se não me responde? Vai entender a cabeça de editor brasileiro. Ouvi falar que ele tem três empregos, af! Então ser editor é só passa tempo? Pior, esses empregos poderiam virar desculpa de falta de tempo pra falar com os artistas. Claro que eles têm muito tempo pros artistas internacionais, afinal ter um catálogo de celebridades ajuda bastante na hora de distribuir. Fora que dá pra pagar pau dizendo " eu publiquei Osamu Tesuka!Uhuuuuu Sou um deus!" Meu irmão chamou os ediotres brasileiros de editores cultulóides, só olham pro passado e não levam em conta que pra criar um sucesso é preciso trabalhar duro, duro, duro. Pegar pronto é fácil, o cara já é consagrado. Se Tesuka vender mil cópias ( coitado, acho que poderia vender mais), os editores não iam ficar muito chateados, afinal é o Deus do mangá e o povo é que é desculturado e não lê nada bom. Mas se Futago vende mil cópias é de se pensar em não investir mais. Eu posso estar completamente equivocada quanto a isso, mas com o tempo ainda descubro a verdade.^^Só peço a Deus que eles não pensem isso de mim, que desenho por passa tempo.rsrs

Eu entendo que nenhuma editora quer ter prejuízo e perder dinheiro numa publicação minha, mas eles também tinham que ver o meu lado. Enquanto eles nao gastam comigo e não perdem dinheiro, eu não ganho absolutamente nada. Nem um centavo sequer. Se for falar em prejuízo eu também estou tendo o maior que é não ganhar nada. Trabalhar por nada, não publicar nada. Sem produto não tem venda mesmo nem ruim nem boa. Eu já aceitei o mínimo, agora é saber se vou ter o mínimo nesse mercado cuidadoso demais.



Bom, vou indo que estou terminando Vitral.

Ah! Resposta da pergunta: Pula da pilha de seu encalhe! Isso em outros países, aqui ele se mata quando descobre que não dá pra distribuir!!!!

quinta-feira, 5 de abril de 2012

Futago Produções está nascendo!

Ontem foi a inauguração do Futago Produções e o nosso primeiro lançamento é o Audio Drama do Príncipe do Best Seller no dia 16 de abril. A Soni se esforçou muito pra esse projeto dar certo, mesmo sem experiência em edição de som ela foi em frente. O áudio é o primeiro no Brasil e foi inteiramente feito por dubladores que estão começando. No Japão os Cds dramas são comuns e são uma mídia que por causa da língua não são lançados no mundo. Nosso áudio é feito de forma bem simples, nada com um aparato grandioso, mas é feito com muito cuidado pra ficar bom. Todos os dubladores gravaram em suas próprias casas e muitos até investiram em equipamentos pra melhorar as gravações. Isso prova que cada um deles tem amor pelo que fazem e acreditaram no projeto. Quem quiser saber mais detalhes entre na página do Futago Estúdio.
Essa semana fiz mais páginas de Vitral e estou fazendo cenas de animação para um clip. A Soni me ajuda animando as cenas no PC. Até agora estou gostando do resultado. É a primeira vez que faço cenas mais complexas de animação, pois desde que fiz o curso nunca fiz algo realmente animado. Se bem que o estilo de animação japonesa ajuda muito, pois eles usam a técnica frame to frame. Não deixa de ser difícil, mas utiliza menos quadros por segundo. ^^ Mas espero que as cenas que criei no storyboard deem certo. Procurei fazer cenas criativas pra não parecer um anime já feito no Nihon.
Ah! Eu fiz o mangá pro concurso da Draco, fiz o roteiro e o Name, mas no último momento resolvi não enviar. Acho que ficou meio corrido fazer o capítulo em vinte páginas. Tive a impressão de que a história renderia mais e os jurados iam sentir isso também.  Acho que vou trabalhar melhor nela e ver se envio depois como material pra avaliação. Afinal, concurso e submissão são a mesma coisa. E como é a primeira revista da Draco e vai ter mais, quem sabe trabalhando mais na minha história eu ainda não consiga entrar nela.
Quanto ao mangá, o editor não ligou, não mandou mensagem e não disse se resolveu nada. Como eu tinha dito, minha espera ia até o final de março. O mês passou e pronto, vou seguir adiante sem esperar mais que a HQM publique o resto da série. Enquanto o Carlos arranja um tempo pro Futago em sua agenda nós vamos seguindo com nosso barquinho em mar aberto sem destino mesmo. Talvez a gente alcance terra novamente com um pouco de sorte.^^



quarta-feira, 14 de março de 2012

Os Guerreios da Árvore Negra.


Eu estava arrumando minha bagunça e achei meus desenhos antigos dentro de um plásico. Esses personagens já tem uns 13 anos. A história se chama "Os Guerreiros da Árvore Negra" e eu criei tudo depois de um sonho que tive. Publiquei o primeiro capítulo no meu fanzine chamado "Tokubetsu Mangá de aventura e ficção". Na verdade, é um shounen e conta a história de quatro guerreiros escolhidos pela Árvore Negra. Essa árvore é uma entidade que quer se vingar da humanidade pois se cansou de ver a natureza sendo destruída. Ela se ergue e lança o pólem das flores negras transformando todas as mulheres do mundo em árvore. Dessa forma os homens caminham para a estinção lentamente. Tudo é tomado pelas raízes negras e os homens não podem mais usar nada que polua o mundo como automáveis e energia nuclear. O mundo regride em alguns aspectos, mas a árvore negra permite que haja desafios entre os homens e seus guerreiros. Quem conseguir matar os guerreiros numa luta conseguirá ter as mulheres do mundo de volta. Entretanto, os guerreiros têm poderes e os humanos não. Isso torna as lutas totalmente injustas, claro. Os homens descobrem que existe uma lei no universo, a natureza possui dois lados que se comprementam, o lado masulino e o feminino. Sem a junção de ambos o universo praticamente não existiria. Bom, os humanos tetam lutar e sempre se dão mal. Os guerreiros são quatro homens, Imperatru- guerreiro da terra, MatrusGar-guerreiro líder do fogo, Maussatri- guerreiro do ar e Silus Dankar- guerreiro da água. Imperatru é o mais problemático dos quatro, ele é escolhido para ser guerreiro pois era amigo de MatrusGar. Entretanto, Imperatru não concorda muito com os ideias da Árvore Negra. Mas MatrusGar não é muito bem intensionado e mente que a Árvore Negra vai devolver as mulheres quando os humanos se arrependerem e cuidaem da natureza e ainda aceitarem tratar as mulheres como seres sagrados da vida. Nisso tudo, ninguém imagina, mas duas mulheres são imunes ao pólem das flores negras. Elas são Rubi e Vonda que possui poderes de vidência. As duas passam dois anos escondidas com a ajude de Lay, amigo de infância de Rubi. Um dia Rubi decide enfretar a Árvore Negra e parte pra luta. Na verdade, elas não lutam pois sabem que vencer os guerreiros é impossível. Elas se infiltram na seita da seiva negra que é uma seita criada para a adoração da Árvore Negra, pois alguns acreditam que a Árvore Negra está certa e com devoção ela perdoará a humanidade. Bom, Rubi e Vonda conseguem se disfarçar de homens, claro ( tipo clichê, né?) Mas é isso, aí elas descobrem muita coisa que podem ajudar a derrotar os guerreiros negros. 

A história é basicamente essa, é ambientalizada num Brasil mais caótico que hoje e tudo acontece na grande metrópole Amazônia. Essa história não tem um final definido, mas eu acho que dá pra usar. Na verdade, acho que e encaixa no tema fantasia do concurso Imaginarium da editora Draco. O que vôces acham? Claro que estou sambando aqui para fazer um começo de vinte páginas, pois não sei quem inventou que fantasia dá pra desenhar em tão pouca página. Mas são as regras, né? Se eu for escolhida publicarei a série toda com a Draco. Sei lá, vou tentar apesar de nunca levar a boa nos concursos. O concurso deles é aberto a todo tipo de quadrinho contanto que siga os tema de Fantasia, ficção ou terror. Quem quiser participar ainda dá tempo, entra no blog do futago pra saber mais do concurso. ^^ Boa sorte.

PS: Genki desu, Shirubana.